quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Disléxicos e a escola


Recordando uma entrevista que Helena Serra deu à EDUCARE.PT há 12 anos, mas ainda muito atual, diríamos mesmo, tão atual que poderia ter sido dada hoje, salvo, claro alguns pormenores.


Helena Serra: "Não culpo os professores pela falta de formação"
Marta Rangel| 2006-10-23
Tem como paixões a dislexia e a sobredotação e, por observar a realidade como ninguém, Helena Serra considera que o atual método de ensino nas escolas básicas pode prejudicar as crianças.
Helena Serra é presidente da Associação de Crianças Sobredotadas e vice-presidente da Associação Portuguesa de Dislexia. Doutorada em Estudos da Criança e Educação Especial, dá aulas há 40 anos e formação há mais de 20. Quando ensina, tenta chegar a todos: desde as escolas mais pequenas, a centros de formação ou a grandes universidades.

EDUCARE.PT: Em média, quantas crianças sofrem de dislexia em Portugal?

Helena Serra (HS): No Ensino Básico, serão 10% a 12% do número global de crianças que o frequentam.

E.: Para fazer face às dificuldades associadas à dislexia, qual deveria ser, na sua opinião, o método de ensino da língua portuguesa nas escolas?

HS: Deveriam ser métodos que privilegiassem a análise e síntese auditiva e visual (analítico-sintéticos).

E.: Acredita que o actual método de ensino possa estar a contribuir para o aumento das dificuldades de aprendizagem?

HS: Acredito que sim. Verifica-se que há, muitas vezes, 'falta de tempo em tarefa', isto é, o treino das diferentes competências, que são básicas e imprescindíveis, não é proporcionado. Houve até alguns professores do EB 1 que, em contexto de formação, me confidenciaram que não tinham tempo para ensinar.  Por outro lado, creio que no que respeita à importância do desenvolvimento das pré-competências em relação à leitura, escrita e à matemática, que devem ser criteriosamente desenvolvidas no pré-escolar e no período inicial da escolaridade, há ainda um certo alheamento no nosso sistema educativo. Quanto a isto, penso que deveria ser assumido pelas escolas e jardins-de-infância  um 'estar em tarefa' mais  eficiente.

E.: Apesar de estar previsto na lei, nota que as crianças com dislexia recebem, na prática, apoio específico das escolas que frequentam?

HS: Tenho vindo a perceber, através de feedbacks colhidos em vários contextos educativos,   que se verificam situações extremas no caso destes alunos. Por um lado, há escolas que se esforçam por oferecer apoios pedagógicos dados de forma individualizada nas disciplinas X Y Z (em que o aluno evidencia maiores dificuldades) através de professores e crédito de horas disponíveis. Por outro, há outras escolas que, não dispondo de meios ou não valorizando estas situações, não facultam estes apoios e os alunos vão  procurá-los fora da escola, em respostas privadas, quando têm possibilidades económicas para o fazer, ou ficam sem eles, engrossando seriamente as estatísticas relativas ao insucesso e abandono escolar.
Há todavia um aspecto que importa frisar: mesmo aqueles apoios disponibilizados em algumas disciplinas, sendo importantes, não são a resposta  essencial de que o aluno está carecido. Nestes alunos, verifica-se que há áreas de desenvolvimento que, apesar do seu crescimento físico e avanço na idade, continuam por se desenvolver e permanecem com baixa eficiência. E se não se treinarem e desenvolverem com estratégias específicas, continuarão fracas, impedindo um nível de realização favorável. Portanto, a par dos apoios pedagógicos dados nas diferentes disciplinas, ou no lugar deles, se houver necessidade de optar, estes alunos necessitam de apoios específicos para treino de competências nas áreas que, numa avaliação compreensiva efectuada individualmente ao aluno, se reconheceu que os desempenhos são impróprios para o nível etário e escola.  Esta avaliação compreensiva e estes apoios específicos deverão tornar-se rotina nas escolas, devendo ser implementados precocemente: final do pré-escolar e início do 1.º ciclo do Ensino Básico. Portanto, dessa forma, o sistema educativo adoptaria uma atitude preventiva (o pouco que se faz é oferecido como processo remediativo), evitando-se as muitas marcas que estes alunos vão somando e, simultaneamente, diminuindo estrondosamente o insucesso escolar. Aliás, tal atitude, não apenas do ponto de vista do respeito dos direitos humanos (ao acesso e sucesso, à melhor realização em tempo útil), mas até do ponto de vista económico, traria resultados muito curiosos.


E.: Considera que a maioria dos professores está preparada para detectar dislexia nos seus alunos? 
HS: São poucos os professores que obtiveram formação sobre esta problemática. Não lhes tendo sido oferecida nos contextos de formação inicial e não a tendo obtido na formação ao longa da vida, restar-lhes-ia reuni-la em autoformação. Mas há aspectos práticos, da avaliação e intervenção, que necessitam de ser abordados na relação directa. Não culpo os professores por essa falta de formação porque, pela minha experiência ao longo da última década, percebi que eles se afirmam radiantes por ter tido acesso a ela e decepcionados porque consideram que todo aquele conjunto de saberes devia ter-lhes sido ensinado antes de iniciarem a sua vida profissional. E, às vezes, há professores já com vinte e mais anos de serviço!

E.: Muitas vezes as famílias são obrigadas a recorrer ao privado para que os seus filhos tenham orientação pedagógica. O Estado deveria estar mais presente nesta orientação?

HS: Sem dúvida e por várias razões. Todos os alunos são cidadãos de primeira e nós temos legitimidade para exigir responsabilidade a todos os professores, mas, se estão em causa domínios do saber em que não lhes demos formação, fica muito fragilizada a supremacia do Estado. Verificam-se múltiplos desgastes nos alunos, nas famílias e nos professores por falta de conhecimento da escola sobre a dislexia. A escola só poderá organizar bem as respostas que tais alunos precisam de ter se tiver professores com formação específica neste campo. Na minha opinião, os professores do ensino regular têm de passar a adquirir formação acrescida neste domínio para poder actuar diferentemente com os alunos, assim como os professores que assumem os apoios socioeducativos.

E.: Uma criança com dislexia tem capacidade para prosseguir os estudos até um nível superior?

HS: Nem imagina quantos eu já avaliei e orientei que estão a frequentar ou já completaram um curso no ensino superior! Em geral, são inteligentes, criativos e muitos conseguem desenvolver um elevado nível de resiliência nas escolas. Alguns, é claro, desistem. O pior mal é quando a vida escolar lhes deixa as tais marcas negativas e se tornam indivíduos que optam pela desconstrução.

E.: E um adulto, consegue estabelecer-se num emprego e fazer face à dislexia?

HS: Claro! Mais: se a escola e a família, no seu crescimento, não lhe tiverem prejudicado a auto-estima, percebe-se que se tornam adultos com perfis de realização muito bons.

E.: E como é afectada a auto-estima de uma criança ou adulto?

HS: Até que as dificuldades de aprendizagem sejam detectadas, a criança vive insegura, ansiosa, inibida e sempre receosa de se expor ou, porque saturada do seu insucesso, vive desgostosa, sem entender o porquê da sua diferença, e vai assumindo comportamentos desestabilizadores, que revertem de novo sobre ela, como bola de neve negra na sua vida.

E.: Como lidam os pais, na maioria dos casos, com as dificuldades dos filhos? Há rejeição, incompreensão, falta de informação?

HS: Há muita falta de informação e grande desgosto em geral. Há, por vezes, um enorme cansaço porque já bateram a muitas portas e ainda ninguém lhes explicou o que se passa com seu filho ou levam-no há anos a um certo apoio e não há melhoras ou um número enorme de situações de que prefiro não referir aqui.  Só muito raramente há rejeição, mas incompreensão há muita.

domingo, 17 de dezembro de 2017

A Escola 4.0 e o papel dos professores

As quatro Revoluções Industriais
da história da humanidade moderna
e a escola 4.0


 (Hoje, excecionalmente, não abordarei as problemáticas de leitura e escrita, mas um assunto mais global, embora também atual.)

Primeira Revolução Industrial (1.0): ferro e carvão. O comboio e os caminhos de ferro revolucionaram o mundo que se foi industrializando.
Segunda Revolução Industrial (2.0): energia elétrica e petróleo como combustível. A energia e o combustível voltaram a revolucionar o mundo
Terceira Revolução Industrial (3.0): tecnológica. A Internet, principalmente a World Wide Web (WWW), globalizou o mundo. O nosso conceito de distância alterou-se, e a informação passou a ser de todos, está disponível para todos, mas não é acessível ainda a todos. O excesso de informação passou a ser também um problema. E, apesar desta fase se encontrar ainda em desenvolvimento, já aí temos a...

Quarta Revolução Industrial(1) (4.0): conhecimento e comunicação. Conhecimento é mais complexo do que informação. O conhecimento transporta-nos para a competitividade. O conhecimento, apesar de tanta informação, é mais difícil de alcançar porque é construído através de décadas.

Por esta razão é que a Escola tem um papel importantíssimo em toda esta matéria. Se a Escola não acompanhar esta Revolução, fica no caminho. E o que é certo é que, de facto, os programas da escola portuguesa estão a anos luz desta realidade (assim como algumas escolas), o que nos vale ainda são alguns professores/escolas que têm a arte de os transformar em realidades mais próximas da dinâmica social.
A escola não deve nunca ser diabolizada. A diabolização, isto é, o achar-se que está tudo mal, leva à desmotivação e à distanciação dos profissionais que aí fazem muitas vezes das tripas coração para ultrapassar as dificuldades. Mas também não se pode pensar que está tudo bem, que não há problemas (a reflexão devia ser uma prática comum das escolas e dos professores), ou desviá-los para debaixo do tapete. Isto atrasa a evolução e, consequentemente, o bem estar dos profissionais e dos alunos, bem como uma aprendizagem virada para o mundo atual, para o mundo, mas não esquecendo que, como dizia Miguel Torga, “o universal é o local, menos os muros”.
A escola deve ser o local da ousadia cheia de inteligência/conhecimento (escola divergente, que promove a criatividade e competitividade) e das emoções (fator de bem estar), não esquecendo que a comunicação, apesar de ser, juntamente com o conhecimento, a base da quarta Revolução, é um problema tremendo: é que a tecnologia liga-nos ao mundo, mas não comunica e não traz necessariamente conhecimento. Por vezes, o ruído é tanto que a informação passa a desinformação e o conhecimento a banais opiniões. E a escola aqui tem um papel importantíssimo: o de transformar o que parece complicado em simples, objetivo e equilibrado, não deixando nunca de problematizar aquilo que alguns promovem como verdades absolutas (dois e dois nem sempre são quatro), mas para isso tem de ter condições e profissionais bons e diferentes, que também eles tenham e desenvolvam o pensamento divergente.

Felizmente, conheço alguns, até muitos, longe e bem perto de mim, por isso não me parece que o mundo esteja totalmente perdido, porque não faz mesmo sentido que hoje alunos do século XXI tenham professores do século XX com propostas teóricas do século XIX, da Revolução Industrial (José Pacheco).

(1) O termo "Indústria 4.0" teve origem num projeto estratégico de alta tecnologia do governo alemão. Foi usado pela primeira vez em outubro de 2012 por Siegfried Dais e Henning Kagermann, que apresentaram um conjunto de recomendações para implementação da Indústria 4.0 ao Governo Federal Alemão.


Dez 2017

domingo, 10 de dezembro de 2017

Disgrafia (perturbação na escrita)

                                                                                                                          Exemplo de perturbação na escrita 1

Possíveis indicadores de disgrafia (disortografia, discaligrafia...):

1. Descoordenação de movimentos.
2. Lateralidade mal definida.
3. Alterações direcionais das letras.
4. Comportamento irrequieto e instável.
5. Alterações de equilíbrio, tónus e postura.
6. Traçado muito leve ou muito forte.
7. Perturbação da motricidade fina.
8. Mau uso do espaço gráfico.
9. Dificuldades metalinguísticas.
10 Dificuldades em copiar do quadro para o caderno.
11. Justaposição de frases.
12. Omissões, confusões, trocas...  de letras, sílabas, palavras...

 Por exemplo:
Reversões
(b/d)
Inversões
(m/w)
Transposições
(ato/ ota)
Substituições
   (carro/cama)
Repetições
Omissões de letras ou sílabas
Acrescentos de letras ou sílabas
Confusões entre letras ou sílabas
Junções entre palavras
Separações de sílabas ou letras
Construção frásica
Estrutura do texto
Acentuação e pontuação
Caligrafia
(impercetível)
Ordem alfabética

                                                            
                                                                                                                                    Exemplo de perturbação na escrita 2


Outras curiosidades

(Tradução de EMC)

As dificuldades específicas na escrita são denominadas de disgrafia.
A dislexia e a disgrafia podem aparecer em conjunto, são expressões diferentes com diferenças ou fragilidades nas componentes de aprendizagem. Estas fragilidades e diferenças causam dificuldades em processar a linguagem, e escrever é uma parte do processo de linguagem. Muito pode ser feito para fortalecer estas componentes.

Há três categorias a considerar dentro destas micro habilidades de aprendizagem: auditivo, visual e quinestésico.

Problemas comuns na escrita:

1. Sequencialização de episódios.
2. Justaposição de frases.
3. Falta de espaços entre palavras ou inapropriadamente espaçadas.
4. Nenhuma ou pouca utilização de pontuação.
5. Erros frequentes (específicos) de ortografia.

Os estudantes envolvem-se na aprendizagem da leitura e escrita. Ficam, no entanto, espantados porque razão os seus trabalhos escritos (relatórios, diários...) precisam de estar organizados e perfeitos – seguindo as regras comuns da gramática.

Estratégias:
1. Abordar apenas uma regra de cada vez.
2. Começar por expressar ideias oralmente.
3. Criar esboços / fazer rascunhos.

Estes importantes primeiros passos ajudarão o estudante a definir a sua escrita e a  evitar bloqueios e trabalhos incompletos, obedecendo aos requisitos definidos.

As estratégias 1, 2 e 3 ajudam a incrementar as regras fundamentais e a estruturar a escrita: a parte lógica e a linguística. Outra parte importante é a relação entre mãos, olhos e cérebro. Para desenvolver estas ligações, ter-se-á de trabalhar as capacidades motoras de uma forma geral, bem como a motricidade fina.

4. Desenvolver exercícios de coordenação bilateral.
5. Usar livros para colorir e outros jogos infantis que ajudem a desenvolver melhores as capacidades motoras.
6. Quando aplicável, usar as ferramentas tecnológicas.
7. Elogiar qualquer pequeno sucesso.

Como se vê, a escrita não é o único aspeto importante a considerar. Está tudo ligado. À medida que se avança em outras áreas, como a leitura, observamos pequenos avanços nas capacidades de escrita. As competências de escrita podem ser trabalhadas de forma mais fácil e rápida se nos focarmos nos aspetos anteriormente abordados. A aproximação entre estas áreas pode levar a um sucesso mais rápido e, consequentemente, à superação dos problemas de dislexia.

1
Aprender a escrever não é uma atividade simples para crianças com Dislexia.
2
As crianças com Dislexia têm capacidades orais muito bem desenvolvidas.
3
Para ser um bom “escrevente”, trabalhe passo a passo.